Eficiência Energética Para Condominio

Eficiência Energética: 6 Passos para Beneficiar o seu Condomínio

Já se perguntou como economizar a energia do seu condomínio?

Em outro artigo, já vimos O que é eficiência energética, como funciona e formas de economizar, mas agora vamos ir além e entender como um projeto de eficiência energética pode trazer benefícios para um condomínio, onde o consumo de energia elétrica costuma a ser bem alto e a tende a estar sempre aumentando.

Existem diferentes abordagens quando se busca uma maior eficiência energética, não existindo apenas uma solução para este problema, e sim um conjunto de mudanças que se forem combinadas podem resultar numa economia maior no fim do mês para seu condomínio.

6 Passos para realizar um Projeto de Eficiência Energética para o seu Condomínio:

  1. Arquitetura

De acordo com o CEPEL, considera-se que um condomínio é mais eficiente energeticamente quando fornece as mesmas condições de ambiente e utilização consumindo menos energia.

O primeiro passo é averiguar os elementos arquitetônicos que podem contribuir para um melhor resultado no consumo de energia, os principais são:

  • Cobertura: a transferência de calor do Sol para o interior dos cômodos pode variar de acordo com o material utilizado, quanto maior for essa transferência, maior a demanda por refrigeração. Além disso, existem opções para um isolamento térmico da cobertura que apresentam baixo custo como a aplicação de argila expandida ou a execução de um telhado verde, que possui preço um pouco mais elevado.
  • Portas e Janelas: controlando a penetração de luz e a circulação de ar, estes elementos podem reduzir a temperatura amenizando o calor do ambiente. O uso de películas bloqueadoras solares em conjunto com toldos ou brises evitam a incidência de luz direta, mas não a indireta, portanto, não exigem mais iluminação artificial.
  • Paredes: a aplicação de materiais com boa capacidade de isolamento térmico junto uma pintura em cores claras podem reduzir a absorção de calor pelo ambiente.
  1. Trocando a iluminação

Segundo o INEE (Instituto Nacional de Eficiência Energética) uma lâmpada incandescente converte apenas 8% da energia consumida em luz, aquecendo o resto do ambiente de forma indesejável. Essa taxa, porém, sobe para 32% se tratando das lâmpadas fluorescentes compactas, ou seja, ela consegue transformar menos energia em mais luz, aquecendo menos o ambiente e exigindo menos refrigeração.

As lâmpadas devem ter o Selo Procel Classe A e as luminárias fabricadas com materiais que permitam a máxima reflexão da luz. Muito comuns em edifícios, a substituição de lâmpadas fluorescentes tubulares T12 de 40 W por luminárias mais eficientes com lâmpadas fluorescentes tubulares T5 ou tubulares a LED podem trazer uma economia acima de 35% no consumo de energia elétrica

Quanto a iluminação por LED, uma lâmpada de 7W é equivalente a uma incandescente de 60W, o que gera, no caso de troca, quase 90% de economia. Porém, quando já possuímos lâmpadas do tipo fluorescentes, devem ser feitos cálculos que nem sempre são triviais, levando em conta o custo, o consumo e a vida útil de cada tipo de lâmpada para avaliar a troca.

Além disso, a iluminação das áreas comuns de um condomínio deve funcionar através de sensores de presença e dimmers, afim de que a iluminação fique ativa apenas quando necessária.

Também disponíveis no mercado, controladores digitais de iluminação levam em conta o nível de iluminação natural para modificar eficientemente a iluminação artificial.

Para garagens, o ideal é que apenas os corredores sejam iluminados e não os boxes dos carros, além disso também é possível instalar sensores de presença nestes ambientes.

  1. Climatização de ambientes

Os aparelhos condicionadores a ar podem controlar a temperatura umidade, pureza e distribuição do ar nos ambientes simultaneamente. Comuns em salões de festas e outras áreas comuns, o uso de aparelhos ineficientes, dimensionados incorretamente e usados excessivamente levam a um desperdício de energia.

O sub dimensionamento dos condicionadores de ar geram maiores custos porque há um consumo excessivo de energia e a necessidade de mais manutenção devido ao desgaste de peças, já que o equipamento precisa trabalhar mais para refrigerar o ambiente, no caso de um dimensionamento acima do necessário, os aparelhos têm maior custo e o gasto com energia fica muito alto.

O correto dimensionamento dos aparelho de refrigeração permite o uso ideal do aparelho, que segundo uma resolução da ANVISA deve funcionar na faixa entre 23°C e 26°C no verão e entre 20°C e 22°C no inverno. Essas faixas reduzem a diferença de temperaturas entre o ambiente interno e externo, e a aumentam a diferença de temperatura com que o fluido refrigerante é trocado com o ar da sala, aumentando a troca de calor junto à redução do consumo

  1. Elevadores 

Outro gasto muito alto é referente aos elevadores, sua modernização em busca de um menor consumo de energia também traz como benefícios a melhora na segurança e a redução dos ruídos. Este aumento na eficiência pode vir com as seguintes mudanças:

  • Inversor de frequência: este mecanismo controla a velocidade e proporciona mais conforto nas viagens com partidas e paradas mais suaves com um baixo consumo de energia.
  • Sistema de tração: modelos antigos funcionam com base em corrente contínua (CC) e apresentam maior consumo, sistemas recentes empregam motores de indução trifásicos (CA) e acionamento eletrônico para reduzir as perdas de energia.
  • Sistemas de controles: Responsável pela execução de todas as funções, permitem a programação para reduzir o número de movimentações e elevadores acionados de modo a otimizar às solicitações dos usuários de forma eficiente.
  1. Equipamentos de Segurança

Usados 24h por dia devem ser escolhidos de acordo com o consumo, o número de televisores para vigilância deve ser o mais reduzido possível, e estes também devem ter o selo Procel Classe A.

  1. Instalações Elétricas

Fiações muito antigas ou incorretamente dimensionadas podem causar fuga de energia e também podem elevar o preço da energia como vimos neste artigo sobre correção do fator de potência.

Os sintomas deste problemas podem ser observados caso paredes deem choque ou esquentem, situação comum perto de interruptores onde são feitas emendas, a solução para estes problemas se dá através de um projeto de instalações prediais elétricas e do uso de mão de obra especializada para executar o serviço.

  • Seja eficiente

Um projeto de eficiência energética, além de se pagar no longo prazo, promove a valorização do condomínio e contribui para o uso racional dos recursos naturais. Confira outros artigos no Blog, deixe o seu comentário ou dúvida e entre em contato conosco para consultoria em um projeto de eficiência energética para o seu condomínio!

Otávio Andrade

Graduando em Engenharia Civil, atualmente trabalha na Fluxo como Gerente de Projetos. Já gerenciou e executou projetos de Plantas Arquitetônicas.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *