Growth-hacking-startup

Use o Growth Hacking para impulsionar sua startup

Você tem uma startup digital e está procurando formas de aumentar o alcance do seu site mas não tem muito dinheiro para investir em anúncios? Já pensou em ter um crescimento muito rápido como algumas das empresas de sucesso do mundo digital? As técnicas de Growth Hacking talvez sejam uma alternativa interessante ao marketing tradicional para seu negócio.

O que é o Growth Hacking?

O Growth Hacking é um mindset (grupo de conceitos) que envolve ao mesmo tempo conhecimentos de marketing e de computação. É a busca por brechas que te possibilitem expor sua marca ou seu produto a um público maior, viralizando sua marca, gastando muito pouco dinheiro. O Growth Hacking gera algum custo para ser implementado mas pouquíssimo ou nenhum custo após isso para gerar adesão de muitos novos usuários, e esse é o diferencial dele com relação ao marketing tradicional.

Como todo hacker, o Growth Hacker tem foco no objetivo, que é nesse caso aumentar a quantidade de clientes. Para isso, ele busca o caminho mais curto, mais rápido. Os pilares do Growth Hacking são a criatividade e a análise comportamental do seu público.

É importante analisar a fundo o comportamento do público para entender como é a experiência dele ao visitar o seu site e usar o seu produto e para entender as métricas sociais existentes na web, que podem ser a chave para você encontrar uma boa forma de aumentar o seu número de clientes e a satisfação deles com o serviço da sua empresa.

Algumas das maiores e mais famosas empresas do ramo digital tiveram um crescimento rápido graças ao Growth Hacking. Alguns exemplos são Dropbox, Hotmail, Apple. Vamos explicar quais são os dois principais passos para melhorar seus resultados de alcance, e exemplificá-los com as estratégias de algumas dessas empresas.

1 Entender o problema do cliente

Se você se dedicar a entender o problema do cliente, você poderá desenvolver uma proposta de valor muito mais alinhada com o que ele busca, e ele ficará mais satisfeito, porque verá que você teve a preocupação de entendê-lo, e se sentirá mais valorizado por sua empresa do que por um eventual concorrente que não teve essa preocupação.

Para isso, existem técnicas e ferramentas bem interessantes, como testes A/B, e o Google Analytics ou ainda algo mais aprofundado, como um estudo de mercado. Levantando hipóteses e confirmando-as junto ao seu público-alvo, você terá insumos para oferecer uma solução mais adequada e que satisfaça um grande número de clientes. Se você já tem um produto digital, é importante para seu crescimento estar constantemente estudando formas de deixar o cliente satisfeito e adquirir novos clientes.

O Dropbox, por exemplo, viu que muitos usuários tinham dificuldade de armazenar e compartilhar alguns arquivos através da internet. Se você já tentou enviar um arquivo muito pesado pelo e-mail, sabe do que estamos falando. Entendendo que os usuários da internet precisavam de um local no qual armazenar arquivos importantes e acessá-los de qualquer lugar, os criadores do Dropbox idealizaram seu funcionamento e foram validar a ideia deles junto ao seu público-alvo. Fizeram um vídeo com um pitch do que seria seu produto e, ao final, pediam que os interessados em utilizar o produto se cadastrassem para serem notificados uma vez que o produto fosse lançado. Nos dias seguintes ao lançamento do vídeo, dezenas de milhares de usuários tinham se cadastrado, interessados em usar o Dropbox.

2 Aumente sua base de usuários

Agora que você desenvolveu um produto que se comunica bem com seu cliente e que o agrada, você precisa que o número de usuários aumente. É nesse momento que entram as técnicas de Growth Hacking. Não existe uma fórmula certa, senão todos estariam usando-a. Mas é possível categorizar as técnicas, de acordo com a forma de viralização do produto, e aprender com alguns cases de sucesso.

Pelo uso:

Existem alguns serviços ou produtos que só fazem sentido de serem usados se as pessoas interagindo têm o mesmo produto. Por exemplo, você só consegue usufruir efetivamente do seu e-mail se as pessoas com quem você quer se comunicar possuem e-mail também. Para se aproveitar disso, alguns Growth Hackers usaram técnicas em que o próprio uso do produto levava ao aumento da base de clientes.

Um case de sucesso nessa categoria é o Hotmail. Na década de 1990, com o início da popularização do e-mail, o Hotmail criou uma técnica muito interessante: quando um usuário deles enviava um email, o Hotmail acrescentava ao final da mensagem “PS – I love you /f Get your free e-mail on Hotmail” e um link para se cadastrar. Até pela novidade que era na época o e-mail gratuito, essa técnica promoveu uma grande viralização!

Por vantagens:

O Dropbox tem uma mentalidade muito voltada para o crescimento de sua base de usuários. Ele usou um hack que se encaixa bem nessa categoria: a cada amigo (que você convida) cadastrado, você e seu amigo ganham mais memória de armazenamento. Isso incentivou os usuários a convidarem muitos amigos e estes amigos a se inscreverem pelo link compartilhado porque assim conseguiriam um espaço maior do que se eles se inscrevessem pela página do Dropbox. Genial, não? Essa estratégia pode ser replicada em vários modelos de negócio, pois torna vantajoso a viralização promovida pelo usuário tanto para quem convida quanto para quem é convidado.

As startups são feitas para crescer muito, e o marketing tradicional geralmente não é muito eficiente para elas. Growth Hacking não é uma receita de bolo, trata-se muito mais do que uma mentalidade, e pode fazer a sua startup crescer muito rápido com pouco investimento. Ainda assim, é possível aprender bastante com as experiências de Growth Hacking de outras empresas. Pensando seu produto ou serviço visando o crescimento, os resultados serão diferenciados.

Entendeu o conceito de Growth Hacking? Comece hoje mesmo a aplicar essas técnicas inovadoras na sua startup! Se ainda ficou com alguma duvida sobre esse assunto, não deixe de saná-la nos comentários abaixo e cadastre-se na nossa lista para receber novas postagens no blog com dicas.

Leon Deharbe

Graduando em Engenharia Civil, pós-júnior. Gerenciou dois projetos de Plantas Arquitetônicas e foi responsável pela área de MEJ (Movimento Empresa Júnior) na Fluxo Consultoria.

This Post Has 4 Comments

  1. Já tinha ouvido falar dos cases do Hotmail e DropBox, mas ainda não conhecia esse conceito! Excelente texto Leon!

    Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *