Rentabilidade De Uma Franquia

Rentabilidade de uma franquia: Tutorial completo para seu negócio crescer

 Veja o passo a passo completo para viabilizar sua franquia!

Quando se trata de compra de franquias, é comum que se pense que o sucesso será garantido pelo fato do empreendimento já fazer parte de uma rede que possui uma marca consolidada. Contudo, é preciso entender que os principais indicadores financeiros do negócio são críticos para o sucesso ou quebra de uma franquia. Assim, é preciso que eles sejam analisados frequentemente pelo empresário para que seja possível traçar planos de ação preventivos e corretivos para avaliar a rentabilidade de uma franquia, no caso de resultados negativos.

É importante salientar que os resultados financeiros não são obtidos de forma aleatória, pois dependem de diversos fatores que influenciam o negócio. Primeiro, é muito importante obter uma visão sistêmica do que é a franquia, quais são suas principais atividades, parcerias, qual é o público-alvo e o valor gerado para ele, por exemplo. Uma ferramenta muito útil para isso é a metodologia Business Model Canvas, onde elaboramos um Modelo de Negócios da empresa de uma forma simples e visual.

 

rentabilidade de uma franquia canvas

Business Model Canvas

Quais análises preciso realizar antes de verificar a rentabilidade de uma franquia?

Antes de verificar a rentabilidade de uma franquia, é importante realizar uma análise de mercado, conhecendo o público-alvo e suas características; os principais concorrentes e as estratégias para competir com esses; os fornecedores, seu poder de barganha, ou seja, o quanto eles podem influenciar em seu negócio, e os gastos para reposição de estoque. Assim, torna-se possível estimar a demanda, custos iniciais e investimentos necessários, que são fatores críticos para a análise de rentabilidade de uma franquia.

Depois de ter analisado o mercado, torna-se necessário abordar uma perspectiva  operacional, onde os processos e recursos do negócio são levantados. Nessa etapa, será definida a infraestrutura, ou seja, descrição do processo produtivo, o maquinário necessário, softwares para controle administrativo, recursos humanos e as normas que os estabelecimentos deverão respeitar.

Após isso, poderá ser estimada a capacidade produtiva e operacional, através de uma análise de quantos empregados, clientes e produtos poderão ser atendidos de acordo com o mercado e a possível demanda. É importante analisar o histórico de outras franquias da rede para que, a partir de dados do passado, sejam projetados resultados futuros, tendo em vista a sazonalidade e todos os fatores analisados até aqui.

Como analisar a viabilidade financeira de uma franquia?

Dessa forma, chegamos à etapa onde o objetivo é projetar a rentabilidade de uma franquia e garantir a boa gestão financeira e a sustentabilidade, além de analisar a viabilidade do negócio a partir dos seguintes indicadores: investimento inicial, despesas fixas e variáveis, projeções de vendas para um tempo determinado, capital de giro, Fluxo de Caixa, Ponto de Equilíbrio, Demonstrativos do Resultado do Exercício (DRE), TIR e VPL.

1 – Investimento inicial

Para o cálculo do investimento inicial, é preciso que sejam levantados custos referentes à compra, legalização e reforma do ponto comercial, equipamentos para segurança, custos com o marketing, custo do estoque inicial – previsto na análise de fornecedores – e taxas cobradas em uma franquia (taxa de franquia, taxa de royalties, taxa de compras e taxa de propaganda, por exemplo).

2 – Custos fixos e variáveis

Os custos de uma empresa podem ser classificados como custos fixos, sendo esses os custos que a empresa incorre independentemente da quantidade de produtos fabricados ou de serviços prestados. São custos que existem pela simples existência e manutenção da empresa. Exemplos: custo com aluguel, seguros, mão de obra, publicidade, impostos como IPTU, entre outros. Ainda há os custos variáveis, que estão diretamente relacionados com o nível de produção, ou seja, crescem conforme o volume produzido. Exemplos: custos de com matéria-prima, embalagens, fretes, impostos como ICMS, IPI, etc.

3 – Projeção de venda

A partir da capacidade produtiva e operacional, do custo, margem de lucro e preço de produtos e serviços prestados, é possível realizar uma projeção de vendas e prever a rentabilidade de uma franquia. É importante determinar quais são os cenários pessimista, realista e otimista e relacionar isso com a demanda e capacidade produtiva do empreendimento. Além disso, é fundamental determinar a atualização inflacionária dos custos fixos e variáveis durante o tempo projetado.

4 – Capital de giro

O capital de giro é o valor necessário para manter o negócio funcionando, considerando as despesas operacionais do dia a dia da franquia, independente se seu desempenho. Assim, diz respeito a uma reserva que visa suprir as necessidades financeiras do negócio ao longo do tempo, até que os gastos sejam cobertos pelas receitas. O cálculo do capital de giro se dá da seguinte forma:

Capital de Giro = Ativo Circulante – Passivo Circulante

Ativo Circulante: aplicações financeiras, caixa, bancos, contas a receber.

Passivo Circulante: contas a pagar, fornecedores, empréstimos.

É importante frisar que o Capital de Giro é influenciado por prazos médios de estocagem, custo de venda, compras e pagamentos. Dessa forma, quanto maior o prazo oferecido para o cliente e o número de pagamentos realizados, mais recursos serão necessários para bancar as contas a receber enquanto o dinheiro não é faturado.

5 – Fluxo de Caixa

Fluxo de caixa é um instrumento de gestão financeira que projeta para períodos futuros todas as entradas e as saídas de recursos financeiros da empresa, indicando como será o saldo de caixa para o período projetado. Com essas informações, o empresário pode planejar, organizar e controlar os recursos financeiros da empresa para o determinado período de tempo.

6 – Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

A DRE apresenta o resumo financeiro dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa. É uma ferramenta contábil utilizada para verificar a saúde financeira de uma empresa, ou seja, ela mostra qual lucro – ou prejuízo – a empresa terá se conseguir realizar o que está sendo planejado. Esse tipo de controle financeiro ajuda os gestores a terem uma visão mais realista sobre as decisões que devem ser tomadas, a fazer previsões mais realistas e a saber se existe viabilidade econômica para determinados investimentos, como a rentabilidade de uma franquia.

7 – Ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio mostra o quanto é necessário vender para que as receitas se igualem aos custos fixos e variáveis, sendo ele um indicador de segurança. Acima desse ponto, os resultados da empresa indicam lucro e, por outro lado, se os resultados estão abaixo do ponto de equilíbrio, a receita obtida não foi suficiente para pagar as despesas, havendo prejuízo. Em geral, esse indicador é calculado em uma base anual, no entanto, para a micro e pequenas empresas, se torna interessante o cálculo do ponto de equilíbrio mensal, para que se tenha um maior controle e planejamento.

8 – Valor Presente Líquido (VPL)

É definido como o somatório dos valores presentes dos fluxos estimados de uma aplicação, calculados a partir de uma taxa de desconto e de seu período de duração. Os fluxos estimados podem ser positivos ou negativos, de acordo com as entradas ou saídas de caixa. A taxa de desconto (taxa mínima de atratividade) é o custo que esse dinheiro teria em fontes seguras, normalmente utilizam-se as taxas de juros do banco central (SELIC).

Caso o VPL encontrado no cálculo seja negativo, o retorno do projeto será menor que o investimento inicial, o que sugere que ele seja reprovado. Caso ele seja positivo, o valor obtido no projeto pagará o investimento inicial, o que o torna viável.

Matematicamente, o VPL é calculado pela seguinte relação:

rentabilidade de uma franquia vpl

9 – Taxa Interna de Retorno (TIR)

A TIR representa a taxa de desconto que iguala os fluxos de entradas com os de saídas de caixa. Em outras palavras, é a taxa que produz um VPL igual a zero, utilizando-se a mesma forma descrita anteriormente, com a TIR sendo a incógnita de taxa de conversão. Para interpretar seu resultado, é preciso fazer uma comparação com a TMA – taxa mínima de atratividade. A TMA representa o percentual mínimo de retorno que um projeto deve gerar para ser aceito em relação a opções alternativas de investimento.

  • Caso a TIR seja maior que a TMA, o projeto é viável, ou seja, é economicamente atrativo
  • Caso a TIR seja igual à TMA, o projeto se encontra economicamente em uma situação de indiferença
  • Caso a TIR seja menor que a TMA, o projeto não é economicamente atrativo, pois é mais vantajoso investir nas opções alternativas

10 – Payback

O Payback indica o tempo necessário para que se recupere o capital investido, sendo seu cálculo dado pelo acúmulo as entradas e saídas, determinando-se o período em que houve a transição de um valor negativo para um positivo. Quando se utiliza esta técnica, a viabilidade do projeto fica condicionada ao tempo em que o investidor espera receber o retorno de seu capital. Assim, um projeto que apresente um payback de 3 anos pode ser viável para um investidor que exija um retorno em no máximo 5 anos e inviável para outro que exija um prazo máximo de 2 anos. Em todo caso, quanto menor o payback, mais interessante se torna o investimento.

Como a Fluxo pode te ajudar a analisar a rentabilidade de uma Franquia?

Ao analisar estes números, torna-se possível possível a redução do risco de escolher um negócio mal formatado ou  inviável financeiramente. Porém, é recomendável que se procure a ajuda de alguém que tenha experiência com o assunto e a Fluxo Consultoria pode te ajudar com isso! No Estudo de Viabilidade Econômico-Financeiro elaboramos um Modelo de Negócios, depois fazemos um Estudo de Concorrentes, Estudo de Segmento de Clientes, Estudo de Fornecedores, Plano Operacional e Plano Financeiro, abordando todos os aspectos descritos. Se você quiser entender melhor sobre essas etapas e como elas são realizadas, entre em contato conosco.

Júlia Costa

Graduanda em Engenharia de Produção, atualmente trabalha na Fluxo como Gerente de Projetos. Já executou os projetos de Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira e Estudo de Mercado, gerenciou um projeto de Modelagem de Pessoal e atualmente gerencia um projeto de Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *