Gestão De Indústrias E Fábricas

Gestão de Indústrias e Fábricas: Como mapear processos e melhorar a produção

Faça uma boa Gestão de Indústrias e Fábricas mapeando os processos e aumente sua produção!

William Edwards Deming foi um estatístico que aprofundou seus estudos na área de sistema de negócios e no modo de fabricação japonês. Suas análises convergiram para a noção de que, para que um processo possa ser gerenciado, ele precisa ser medido – e mensurado – de alguma forma. Essa importante ideia foi o combustível para o desenvolvimento e o aprimoramento de diversos indicadores de melhoria dos processos com o intuito de garantir a melhor gestão de indústrias e fábricas.

Você tem processos bem definidos na sua indústria?

Gestão de Indústrias e Fábricas processos definidos

É fácil perceber que o bom entendimento de uma atividade pode promover uma melhor análise sobre ela e, assim, identificar pequenas falhas. Da mesma forma, o conhecimento de como tal processo ocorre durante toda a cadeia é imprescindível para que se possa analisar criticamente quais pontos são gaps ou pontos em que há retrabalho. Com o intuito de organizar melhor essa parte, uma metodologia essencial é o Mapeamento de Processos.

Esse mapeamento serve para documentar o processo e para poder organizar de forma visual quais são as atividades que ocorrem, quais são as principais e quais são as de suporte e permite verificar como que realmente um processo é executado no dia a dia. É nessa metodologia também em que são discriminadas as entradas e saídas de cada processo para que, no futuro, se possa entender quais informações que se perdem.

O passo depois dessa modelagem é a reengenharia dos processos, capaz de propor soluções, a partir de uma análise crítica da situação atual da operação.

Para identificar a necessidade de uma reengenharia de processos, é necessário que haja um entendimento da qualidade atual dos processos.

Saiba responder às seguintes perguntas:

  1. Os funcionários não entendem bem o processo que executam?
  2. Você sente que não consegue atender a uma demanda?
  3. Você sente que a sua empresa gasta mais do que o necessário?
  4. Há concorrentes que cobram muito menos por um mesmo produto com o mesmo processo de produção?
  5. As informações se perdem ao longo do processo?
  6. Muitas pessoas fazem o mesmo processo várias vezes (retrabalho)?
  7. Você sente que há trabalho desnecessário?

Se a maioria das respostas tiver sido sim, é muito provável que a qualidade do seu serviço esteja mais baixa do que poderia estar e, então, uma reengenharia de processos é um bom caminho para solucionar esse problema.

Como que a má qualidade dos meus processos dificulta o meu serviço?

A excelência na produção ou na maneira como um produto chega ao cliente está totalmente ligado ao preço do seu produto. A falta de processos bem definidos acarreta um desconhecimento das necessidades da produção e, como uma reação em cadeia, um gasto desnecessário, gerando um preço mais elevado. É válido destacar que um aumento do preço do produto torna este menos competitivo no mercado, o que pode diminuir suas vendas e, assim, o seu lucro.

O que é uma reengenharia dos processos?

Na década de 90, Hammer e James Champy desenvolveram um sistema administrativo chamado de reengenharia. Esse sistema é responsável por propor soluções através de uma análise da situação como é para, então, desenvolver um planejamento de como ficará o processo. Essa soluções têm o objetivo de garantir a competitividade no mercado com uma qualidade melhor do produto e, ao mesmo tempo, diminuir os gastos na gestão de indústrias e fábricas.

        Essa técnica é muito baseada na alteração abrupta dos processos atuais para que as antigas práticas sejam rapidamente esquecidas e os funcionários possam se adequar facilmente aos modelos propostos. A reengenharia é baseada nos três pilares de: diminuição do custo, aumento da produtividade e garantia da satisfação do cliente. A ordem de prioridade nesse sistema é definido a partir da situação na qual a empresa se encontra.

        Para uma reengenharia bem realizada, os processos já devem ter sido modelados, levando em consideração tanto as atividades fim quanto as atividades de suporte, porque todas essas ações são consideradas na hora de levantar o custo do produto e sua qualidade.

Após desenvolver atividades de alteração no fluxo da produção, é importante que os impactos da reengenharia sejam ponderados. Mudanças muito radicais podem ser dificilmente aceitas por funcionários enquanto mudanças muito rasas podem não significar um impacto suficiente para que o gasto com a alteração ocorra.

Como saber se os meus processos foram de fato impactantes?

O impacto das atividades propostas como solução está inevitavelmente atrelado à situação da empresa. Processos com cadeias de produção muito complexas podem dificultar as alterações, então, analisar cada atividade é essencial para garantir que todas sigam o mesmo ritmo.

Por outro lado, cadeias muito simples podem já ter um custo de produção baixo, o que não compensará, na maioria das vezes, alterações muito simples. É válido entender, também, que processos que lidem diretamente com pessoas e que não haja muito maquinário são mais complicados de serem alterados, por conta de a ação antrópica não ser tão moldável quanto uma ocorreria com uma máquina

Para medir esses impactos, uma boa forma é a criação de indicadores, que poderão mensurar quão efetivo será a mudança ao longo de um período de tempo pré-determinado.

Você sabe o que são indicadores?

Os indicadores de uma empresa podem ser divididos, basicamente, em indicadores estratégicos, táticos e operacionais. Os indicadores estratégicos são baseados diretamente no macro da empresa, sendo indicadores que mensuram o alinhamento da situação interna da empresa com sua missão e com seus valores. Esses geralmente são acompanhados pela diretoria ou pelos sócios-proprietários.

Já os táticos são direcionados a um determinado setor da empresa, como a indicação da melhoria de uma área, e podem ajudar em importantes decisões. Assim como os indicadores táticos, os operacionais também mensuram diretamente o desempenho dos processose são vitais na gestão de indústrias e fábricas.

Como relacionar meus indicadores com a qualidade dos processos?

Gestão de Indústrias e Fábricas indicadores

 

Dado que um processo, para ser bem gerenciado, precisa ser medido, é necessário que haja um controle dessa medição – os indicadores – para que se possa gerenciar. Quando se fala em quantificar os indicadores, devemos focar em dois fatores importantes: metas e padronização.

As metas são importantes porque refletem uma análise crítica dos indicadores para poder repensar como que poderia haver uma melhora no processo e quanto poderia ser essa melhora Uma metodologia comum relacionado às metas é a “SMART”. Segundo esta, as metas devem ser S(específicas), M(mensuráveis), A(alcançáveis), R(relevantes) e T (temporais), ou seja, elas devem ser bem direcionadas num cenário possível dentro de um determinado intervalo de tempo. Atingir metas pode ser considerado até uma própria meta da empresa se for discriminado que não há uma melhora significativa dos resultados.

gestão de indústrias e fábricas SMART

No que se refere à padronização na gestão de indústrias e fábricas, é muito importante destacar que, uma vez que os indicadores vão medir o desempenho de um determinado processo, é válido que este seja executado por seus funcionários de uma forma uniforme, isto é, que um funcionário não realize uma atividade diferente da de outros funcionários. Para o cliente, a padronização do serviço é muito importante para garantir a qualidade do produto e poder, então, confiar de que, sempre ao adquirir o produto ou serviço, não será surpreendido.

A definição das metas e a uniformização dos processos estão inevitavelmente vinculados também às estratégias externas à empresa, como o Plano de Marketing. Com um produto bem padronizado e definido, é possível verificar quem é o seu o segmento de clientes e quem são seus concorrentes mais adequadamente. Além do Plano de Marketing, a padronização do serviço pode promover uma melhor organização dos processos, diminuindo tempos e facilitando, assim, um aumento da produção e uma melhor gestão de indústrias e fábricas.

Você se identificou com algum dos problemas abordados nesse artigo? A Fluxo Consultoria pode te ajudar na gestão de indústrias e fábricas!  Converse com algum de nossos consultores para realizarmos um diagnóstico completo de Mapeamento de Processos e Estudo de Layout.

Pedro Paulo Ferreira

Graduando em Engenharia de Produção, atualmente trabalha como Consultor de Projetos no setor de gestão e criação de negócios e otimização da produção. Já executou projetos de Estudo de Mercado e Mapeamento de Processos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *