Os 4 Passos Para O Desenvolvimento De Novos Produtos Alimentícios

Os 4 Passos Para O Desenvolvimento de Novos Produtos Alimentícios

Aprenda como investir no setor de alimentos com o passo-a-passo completo!

Você tem o desejo de empreender no mercado de desenvolvimento de novos produtos alimentícios, mas não sabe como começar ou não está seguro de que é o melhor segmento para se investir? Descubra como tirar suas ideias do papel e desenvolver ou aprimorar sua fórmula de sucesso!

Você sabia que, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentação (ABIA), a indústria alimentícia teve um crescimento superior ao produto interno bruto brasileiro nos últimos anos? Esse desempenho vem impressionando economistas, visto que ele representa um crescimento de 81% no período de 2010 a 2016. Esse crescimento é um indicador que apesar da crise, este é um mercado em ascensão, que tem atraído muitos investimentos, principalmente no desenvolvimento de alimentos inovadores.

Crescimento do faturamento na indústria de alimentos no período de 2010 a 2016 (Fonte: Dados da ABIA, Adaptado por Foodnews)

Crescimento do faturamento na indústria de alimentos no período de 2010 a 2016 (Fonte: Dados da ABIA, Adaptado por Foodnews)

 

No entanto, esse crescimento não é impremeditável se pararmos pra pensar no investimento em tecnologia desse setor. Segundo dados da Pesquisa de Inovação (Pintec), realizada pelo IBGE, a indústria alimentícia brasileira é uma das que mais investem em pesquisa e desenvolvimento. O Paraná conta com exemplos de inovação no setor de desenvolvimento de novos produtos alimentícios que resultaram em casos de sucesso, como o da empresa Stival Alimentos, que desenvolveu o primeiro risoto instantâneo do Brasil, o RiceCup, o qual ganhou mercado na metade do tempo previsto e em 45 dias de lançamento tornou necessário um aumento no dobro da produção.

No mesmo compasso, Fabrício Rocha, diretor comercial da Lacto, outra empresa que surpreendeu no assunto inovação, com um investimento de $ 2 milhões em 14 meses no desenvolvimento de uma bebida láctea com pedaços reais de frutas, afirma “É preciso estar disposto a investir em inovação para crescer” sobre o lançamento da ChocoLacto+.

Quer entrar no mercado de desenvolvimento de novos produtos alimentícios e não sabe como começar a desenvolver seu produto? Podemos te ajudar com isso!

Um questionamento que surge frequentemente, porém, é: Tendo em vista o potencial econômico e tecnológico do setor, como inserir-se nesse contexto? Como inovar no setor de desenvolvimento de novos produtos alimentícios? Definimos aqui os 4 passos para você entender todo o processo de criação de um novo produto na área de alimentos e colocar sua ideia em prática.

O passo-a-passo para desenvolver sua fórmula

1) Entenda o mercado de alimentos no Brasil

Tenha em mente: descubra do que o mercado está precisando, escute o seu cliente. Veja o que você pode oferecer como diferencial capaz de encantar e surpreender o público, estude a concorrência. Foque no segmento de consumidores que gostaria de atingir, sejam veganos, chocólatras, apreciadores de boas bebidas etc.

Saber o panorama da indústria de alimentos e de desenvolvimento de novos produtos alimentícios no Brasil é uma etapa fundamental desse processo, e a partir dele perceba quais são as grandes oportunidades e quais os setores aquecidos. Uma forma de verificar isso é pelo faturamento de cada um dos setores, para investir de forma precisa. Esses insumos são geralmente encontrados em projetos de estudo de mercado, os quais se caracterizam basicamente por definir o que as pessoas procuram e o quanto elas estão dispostas a pagar.

Faturamento dos principais setores da indústria de alimentos no Brasil (Fonte: Dados da ABIA (2016), Adaptado por Foodnews)

Faturamento dos principais setores da indústria de alimentos no Brasil (Fonte: Dados da ABIA (2016), Adaptado por Foodnews)

 

A indústria de derivados de carnes, por exemplo, é o segmento líder em termos de faturamento no Brasil e, segundo dados da ABIA, este setor apresentou um crescimento médio de 14,5 % ao ano desde 2010. A segunda maior indústria de alimentos brasileira é a de beneficiamento de café, chá e derivados, com um crescimento médio anual de 12,6 %. Em seguida, encontram-se as indústrias de laticínios, óleos e gorduras, açúcares, derivados do trigo, derivados de frutas e vegetais, diversos, chocolate, cacau e balas, desidratados e supergelados e conservas de pescados.

2) Avalie a viabilidade do seu produto

Essa etapa deve ser o ponto inicial de qualquer desenvolvimento de fórmula. É nela em que é feita a análise da viabilidade técnica e de inovação a partir de dados de artigos científicos e patentes. Uma das importâncias disso é saber se o produto já está sendo desenvolvido em outros lugares. Ainda, é o momento no qual se estuda a legislação para que seu produto seja desenvolvido dentro das normas vigentes pelos órgãos competentes.

Para o estudo de viabilidade técnica é necessário que você já tenha em mente, as características sensoriais, físicas e químicas que você deseja que seu produto tenha, ou seja, as características necessárias para a aceitação do seu produto. Se o alimento deve conter baixo teor de gordura, zero lactose, não apresentar glúten ou então, qual o tempo de prateleira que você deseja que ele tenha. Assim, o estudo será direcionado para as propriedades organolépticas desejadas.

E como é feito o estudo da viabilidade técnica? Tendo em mente o sabor, aroma, cor e textura desejados para o alimento que se deseja desenvolver, são estudados os possíveis componentes para sua receita. Nesse estudo dos possíveis ingredientes, primeiramente investiga-se o comportamento de cada componente isoladamente para, em seguida, avaliar a interação entre esses elementos, pois estes podem interagir quimicamente. Em geral, dessa interação, há o desenvolvimento de características sensoriais e nutricionais. Ao final desta etapa, determina-se se há uma formulação viável e se esta possibilita retorno financeiro e competitividade no mercado.

É aqui também que será avaliada a necessidade de um conservante para o seu produto e quais são os preservantes mais indicados, bem como o levantamento dos possíveis fornecedores para cada um dos componentes do produto.

3) Valide as Hipóteses

desenvolvimento de novos produtos alimentícios hipóteses testes

Nessa etapa, todos os ingredientes são levados para o laboratório e os primeiros ensaios objetivam observar o comportamento dos componentes operando separadamente, para compreender como cada substância contribui para obtenção das características produto desejado.

É então analisada qual a melhor concentração a ser utilizada para cada produto de acordo com a indicação estudada na etapa anterior. Aqui são definidas as possíveis formulações para o produto, variando as concentrações e mesmo os componentes.

A partir desse entendimento é possível passar para a etapa de teste das formulações, em que observa-se quais formulações vão oferecer os melhores resultados, onde as principais características avaliadas podem ser a viscosidade, cor, odor e até outras, de acordo com a preferência e objetivo do cliente.

Durante o desenvolvimento de novos produtos alimentícios, a cada uma das etapas são realizadas modificações dos parâmetros caso seja necessário. Isto é, a fórmula é desenvolvida e aprimorada a todo o momento até chegarmos ao resultado desejado. Vale ressaltar, a importância da participação do empreendedor em todas as etapas do desenvolvimento.

4) Teste a Estabilidade

Com a sua fórmula em mãos, é desejável a realização de testes laboratoriais mais específicos para averiguar o comportamento da fórmula ao longo do tempo e garantir sua seguridade. Vale ressaltar que os testes a serem aplicados irão variar de acordo com o objetivo do cliente no desenvolvimento de novos produtos alimentícios. Nessa etapa podem ser feitos estudos das características físico-químicas e de análise sensorial, onde seu produto será testado pela cor, sabor, textura, aroma, gosto (meramente paladar) e flavor. Por fim, podem ser realizados testes microbiológicos para analisar se seu produto atende o tempo de prateleira desejado, ou seja, se o seu produto está realmente apto para o consumo durante o intervalo de tempo desejado.

O que achou dessas vantagens? Quer desenvolver um novo produto na área de alimentos mas não sabe por onde começar? Marque agora uma conversa com nossos especialistas e tire sua ideia do papel!

Ana Caroline Rodrigues Vieira

Graduanda em Engenharia Química da UFRJ, atualmente trabalha na Fluxo Consultoria como Gerente de Projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *