skip to Main Content

Climatização Hospitalar: quais cuidados devem ser tomados?

Pessoas aproveitando a climatização hospitalar

A possibilidade de climatizar um ambiente trouxe mais conforto e, por vezes, mais segurança. Isso se dá, pois, algumas atividades necessitam de um ambiente confortável e estável, sem a possibilidade de ocorrer variações bruscas de temperatura.

É importante investir em climatização hospitalar devido aos diversos riscos presentes nos ambientes hospitalares, o que torna essencial que aquele local tenha um sistema de climatização adequado e eficiente.

Isso não só dá aos funcionários e pacientes um maior conforto, mas também evita que fungos, bactérias e outros microrganismos que podem ser prejudiciais à saúde se reproduzam e multipliquem pelo ambiente.

Para fazer que se tenha um controle maior do ambiente é necessário que se instale um sistema de climatização que atenda aos requisitos básicos para as condições de segurança e assim garantir um maior conforto térmico aos pacientes e colaboradores que atuam no local.

Além disso, eles também auxiliam na higienização das salas de cirurgia, pós operatório e UTIs, de modo que irão garantir que esses ambientes estejam purificados e livres de agentes infecciosos.

Com esse mesmo intuito de garantir uma maior coesão do controle do ambiente hospitalar, foram criadas algumas normas e leis com o intuito de manter o ar do local sempre adequado e saudável.

Para te ajudar a compreender melhor essas normas e se atentar aos cuidados que devem ser tomados para que a climatização hospitalar seja segura e cumpra suas funções, criamos este conteúdo. Vamos agora conhecer melhor esses pontos importantes e sua importância para todos.

Norma e Lei para Climatização Hospitalar

Primeiramente precisamos conhecer a norma e a lei que regula a climatização de ambientes, sendo ela a Norma 7256 de 2005 e a Lei 13.589 de 2018. Onde elas definem desde parâmetros que deverão ser obedecidos para a instalação, até as punições do descumprimento da legislação. 

Norma 7256:2005

Como uma forma de assegurar a eficiência total do sistema de climatização hospitalar, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), elaborou a Norma 7256, a qual tem como principal objetivo o estabelecimento de parâmetros e requisitos mínimos que deverão ser atendidos para estabelecimentos assistenciais de saúde.

Nesta norma, as áreas hospitalares também são divididas de acordo com o potencial de ocorrência de infecção, assim agrupadas como:

  • Áreas não críticas: sendo aquelas que não são ocupadas por pacientes e tem funções administrativas, como escritórios e almoxarifados;
  • áreas semicríticas: como aquelas ocupadas por pacientes que não exigem cuidados intensivos ou isolamento, como as enfermarias e ambulatórios;
  • áreas críticas: sendo estas aquelas que oferecem risco potencial para infecção, seja por procedimento invasivos, presença de pacientes imunocomprometidos ou mesmo pelo risco ocupacional relacionado ao manuseio de substâncias infectantes, como centro cirúrgico, unidades de transplantes e terapias intensivas, entre outros.

Sendo, então, a principal função da norma o controle de como deverá ser feita a instalação do sistema de climatização hospitalar, verificar o controle de ruídos, o índice de temperatura ideal, a velocidade do ar e a umidade relativa que deverá ter no ambiente.

Além disso, também estabelece a necessidade de limpeza e manutenção periódica, de modo que garanta que todo o sistema esteja funcionando da forma correta, promovendo a segurança da saúde do ambiente.

Lei 13.589/2018

No dia 4 de janeiro de 2018, foi sancionada a lei 13.589/2018, em que se tornou obrigatória a manutenção de ar condicionado em prédios públicos e privados coletivos, inclusive hospitais. 

Sendo o objetivo dessa determinação proporcionar uma melhor qualidade no ambiente interno e minimizando e/ou eliminando os possíveis riscos existentes no ambiente.

Assim, a manutenção do equipamento deverá ser realizada de forma periódica, a fim de aumentar a vida útil do dispositivo, proporcionar uma maior economia de energia, proteção da saúde dos ocupantes do local e garantir uma maior eficiência do equipamento.

Banner4

Além disso, também é importante a troca dos filtros, que também deve ser incluída na manutenção, pois são os principais responsáveis pelo desempenho do aparelho.

Principais cuidados 

Já que o sistema de climatização hospitalar tem grande importância em todos os setores que estão contidos em um hospital, é necessário que se tome cuidados que possam garantir a segurança e saúde de todos os que irão utilizar o local.

Os principais cuidados que devem ser tomados para que a climatização ocorra da forma correta, podem ser divididos naqueles que devem ser tomados antes da instalação e aqueles que devem ser mantidos após a sua instalação nas dependências do hospital ou clínica.

Antes da instalação do sistema de climatização hospitalar

Dimensionamento

Para que se a climatização hospitalar atenda a norma, é necessário que antes de sua instalação sejam feitas medições e cálculos para o dimensionamento dos equipamentos. Assim, não se irá instalar um equipamento que não irá suprir as necessidades daquela área.

O que iria causar problemas desde problemas no próprio equipamento e aumento na conta de energia, já que ele irá precisar trabalhar mais para poder equilibrar a temperatura naquela área, até problemas como a quebra do equipamento e uma necessidade maior de manutenção.

Equipamentos de qualidade

Mesmo que equipamentos mais baratos sejam atrativos pelo baixo preço, a longo prazo esses equipamentos podem gerar mais custos do que um equipamento intermediário. 

Já que pode apresentar muito mais problemas, como mau funcionamento e mesmo quebrar, o que não só causa prejuízos para o hospital, mas também pode colocar em risco a saúde dos ocupantes daquela área.

Após a instalação do sistema de climatização hospitalar

Manutenção em dia

A manutenção dos climatizadores em hospitais e clínicas deve ser feita de forma rigorosa, pois é um fator crucial para uma boa conservação dos aparelhos e das condições de limpeza do ambiente.

Deste modo, a partir da manutenção, se evitar que equipamentos venham a quebrar ou dar defeito, como a desregulação da temperatura do ambiente. 

Além disso, devido à necessidade de se evitar que ocorra a propagação e reprodução de microrganismos como fungos, bactérias e outros antígenos que se propagam no ar, um ponto muito importante da manutenção de climatizadores é a troca dos filtros de ar.

Troca dos filtros de ar

Como uma das vantagens da climatização hospitalar, a filtragem do ar, é feita através de filtros. Esses filtros têm a função de barrar a passagem de determinadas partículas.

Os principais filtros utilizados em sistemas de climatização hospitalar são:

  • Filtros para partículas grossas;
  • Filtros para partículas médias;
  • Filtro para partículas finas;
  • Filtros de alta eficiência.

Esses filtros possuem a tecnologia para a separação de partículas capaz de capturar e eliminar as impurezas potencialmente infecciosas presentes no ambiente hospitalar. Sendo, então, fundamental para o hospital que seja feito o tratamento de ar adequado, o que irá preservar não só a saúde e bem-estar das pessoas presentes no local, mas também irá garantir que as partículas contaminantes não se espalhem pelo ambiente.

Limpeza

A limpeza do equipamento tem esse status de importância pois a negligência dessa atividade pode causar danos ao equipamento, devido o acúmulo de sujeira. O que irá causar custos desnecessários e mais recorrentes.

Assim, uma limpeza constante pode evitar a quebra do aparelho e paradas para manutenção. Além do acúmulo de poeira pode afetar a qualidade do ar, já que irá atrapalhar o trabalho dos filtros de ar. A limpeza do próprio ambiente tem grande influência no desempenho da segurança da saúde dos usuários, onde ela poderá evitar o surgimento de bactérias e reduza a necessidade de troca de filtros do sistema de climatização hospitalar, de acordo com a data estipulada pelo fabricante, sendo fatores cruciais para a conservação dos aparelhos e das condições ambientais seguras.

O que é um protótipo, para que serve e pode ajudar seu negócio a desenvolver melhores produtos
Ensaio de Materiais: o que é, qual a importância e tipos

Outros assuntos:

This Post Has One Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

CNPJ: 72.387.608/0001-21

A Fluxo Consultoria é uma empresa sem fins lucrativos, visando fomentar o empreendedorismo no Brasil através de projetos de engenharia de alta qualidade e custo abaixo do mercado. Todo o valor ganho é revertido para a formação profissional dos nossos membros e alunos da UFRJ.