Skip to content

Fluxo Consultoria – Consultoria em Engenharia da UFRJ

As principais formas de mitigar a emissão de carbono

As principais formas de mitigar a emissão de carbono

emissão de carbono

Em 2020, a pandemia de Covid 19 começou e diversos serviços foram suspensos, como as atividades industriais, para evitar a contaminação do vírus e tudo isso influenciou no meio ambiente, principalmente na emissão de carbono.

Pode-se perceber que, no ápice do confinamento social, ocorreu uma redução nas emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera, exemplificado pelo dióxido de carbono. Posteriormente, no entanto, foi possível verificar que essa diminuição não aconteceu de forma contínua.

Sendo assim, é fundamental que diversas medidas sejam feitas para evitar uma crise climática catastrófica. É válido ressaltar que, em 12 de dezembro de 2015, aconteceu a COP 21 (21ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas), foi feito o Acordo de Paris e firmado entre 195 países.

As duas metas propostas foram: reduzir a emissão de gases do efeito estufa e manter o aumento da temperatura do planeta bem abaixo dos 2ºC.

Gases de efeito estufa (GEE) 

Os gases de efeito estufa identificados internacionalmente e mais relevantes são: Dióxido de Carbono (CO2), Metano (CH4) e Óxido Nitroso (N2O). São compostos químicos presentes de forma natural na atmosfera e que absorvem parte da radiação infravermelha emitida pelo Sol e refletida pela superfície terrestre. 

Com isso, o Efeito Estufa acontece e dificulta a saída de calor do planeta, principalmente com as atividades humanas ocorrendo de maneira descontrolada. Dessa forma, existe aumento da concentração desses gases e, consequentemente, da temperatura, conhecido como Aquecimento Global.

É necessário, dessa forma, que as pessoas identifiquem que esse aumento já causa impacto na realidade, como por exemplo, as grandes oscilações de temperatura, o frio fora de época e o calor intenso na região onde mora. Tudo isso leva a uma reflexão: o que estamos fazendo para mudar essa situação?

O carbono e a sua emissão

O carbono é um elemento químico presente na Química Orgânica, aparecendo na constituição de compostos orgânicos naturais, como por exemplo, os biocombustíveis e também de compostos sintéticos, como por exemplo, as borrachas.

Além disso, pode formar diversos elementos quando ligado em certos átomos, como o CO2 que é uma molécula do gás carbônico estruturada pela ligação de um átomo de carbono com dois átomos de oxigênio.

O gás carbônico (CO2) está presente em duas circunstâncias principais: a respiração celular e a fotossíntese das plantas, apesar disso, a emissão de carbono torna-se prejudicial quando as atividades humanas afetam e desequilibram o ciclo natural.

O desmatamento, a queima de combustíveis fósseis, atividades industriais e outros exemplos são situações ainda comuns no dia a dia e estão relacionadas com a intensificação do Efeito Estufa. 

Neutralização de carbono

Buscar formas de mitigar a emissão de carbono é fundamental, devendo acontecer tanto com as empresas quanto com os cidadãos.

Exemplificando com o transporte nas cidades, considera-se que a queima de combustíveis fósseis pelos meios de transporte é a principal fonte de emissão dos gases de efeito estufa. Logo, é muito recomendável que as pessoas priorizem o uso de transporte público para diminuir o nível desse poluente e também dos congestionamentos.

Ademais, muitas empresas e eventos fazem projetos para neutralizar o que foi emitido, para isso são mapeadas todas as atividades realizadas e após a quantificação pode ser identificado qual é o tipo mais adequado de compensação, por meio do plantio de mudas ou créditos de carbono.

1. Plantio de mudas

Uma das principais formas de compensação de carbono é o plantio de mudas, isso acontece devido ao sequestro de carbono pelas árvores. Quando esse gás é removido do meio ambiente e fixado na biomassa pelo processo de fotossíntese (6CO2 + 6 H2O + luz solar → C6H12O6 + 6 O2).

Segundo o Instituto Brasileiro de Florestas, a cada 7 árvores, pode-se sequestrar 1 tonelada de carbono nos primeiros 20 anos de idade.

Geralmente, essa biomassa é formada por folhas, tronco e raízes, assim o CO2 está presente durante o crescimento da árvore, essa também emite quando faz a sua respiração, no período noturno e quando sofre decomposição ou queima da própria biomassa.

É válido ressaltar que o ciclo natural pode ser afetado quando não há absorção total de CO2 considerando que a velocidade de emissão torna-se diferente. 

2. Créditos de carbono

Em 1997, com o Protocolo de Kyoto foram acordados e criados objetivos nos quais os países signatários iriam reduzir as emissões de GEE na atmosfera. Assim, quando o protocolo entrou em vigor, foi apresentado o mercado de carbono, no qual existiam alguns instrumentos de flexibilização como o comércio de emissões, implementação conjunta e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).

No mundo há tanto os mercados oficiais quanto os mercados voluntários, nesses as empresas, as ONGs, as instituições, os governos tomam a iniciativa de reduzir as emissões voluntariamente.

No caso do Brasil, sendo um país em desenvolvimento e não signatário deste protocolo, conseguiria estar presente através do MDL, com os seus projetos podendo ser usados como fornecedores de créditos de carbono. 

Considera-se que 1 crédito de carbono corresponde a 1 tonelada de carbono que não foi emitido para a atmosfera, com isso, busca-se reduzir a emissão de carbono e de outros gases poluentes. Funciona como um espécie de “moeda” para ser utilizado em apoio a projetos sustentáveis, reflorestamento, indústrias de energia renovável, entre outros.

[post]
Representação sobre o crédito de carbono

Conclusão

É imprescindível, portanto, identificar que quando determinado evento, empresa, indústria ou produto emite gases de efeito estufa busquem medidas para mitigar o problema. Para isso, as atividades realizadas precisam ser quantificadas e, posteriormente, deve-se analisar qual é a principal forma de compensação: plantio de mudas ou créditos de carbono

Além disso, tornou-se muito comum que a sustentabilidade seja o foco de diversos negócios, não só pela causa ambiental, mas também para atrair novos clientes com seu marketing verde. Isso abre a possibilidade de adquirir selo ou certificado que confirmam a sua ação a partir da compensação adequada.

Quer saber mais informações sobre isso? Confira o nosso projeto de Neutralização de Carbono e compense a emissão de carbono do seu empreendimento, trazendo benefícios para todos!

Marketing Fluxo

Somos um grupo de graduandos da UFRJ que decidiu ir além das salas de aula da mais tradicional Escola de Engenharia do Brasil. Em busca de vivência empresarial e experiência em gestão, queremos nos preparar o quanto antes para o mercado de trabalho. Para isso, realizamos projetos de engenharia com a supervisão dos professores para resolver os problemas de nossos clientes.

Escreva um Comentário

O que é Fluxo?

Somos uma empresa júnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, de acordo com a Lei 13.267/2016, e realizamos projetos de consultoria em engenharia. 

Posts Recentes

Siga-nos

Se inscreva em nossa Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades e conteúdos em primeira mão 

Há mais de 30 anos, a Fluxo realiza projetos de engenharia, com infraestrutura e tecnologia da UFRJ. Prestamos serviços para pessoas físicas, pequenos empreendedores e grandes empresas do mercado. Por isso, temos ampla experiência em consultoria e oferecemos soluções personalizadas para você.