skip to Main Content
Lixo Industrial: Como Fazer O Descarte Correto Da Sua Indústria

Lixo Industrial: como fazer o descarte correto da sua indústria

A preservação do meio ambiente tem se tornado cada vez mais importante a ser discutida, e com essa pauta vem um dos maiores problemas para a humanidade: que destinação dar para o lixo?

O lixo doméstico é apenas uma pequena parte de todo o lixo produzido, e boa parte dele pode ser reciclada. 

Já o lixo industrial corresponde a boa fração do lixo produzido.

Uma sociedade moderna necessita de indústrias para suas diversas atividades, de produção de energia a produção de bens.

Logo, as atividades industriais são necessárias e não podem ser paralisadas, o que gera uma discussão na qual se debate qual o destino deve ser dado para os diversos tipos de lixo industrial.

O que é o lixo industrial?

O lixo industrial é aquele lixo gerado pelos processos de produção das indústrias, e sua composição, e demais características, de acordo com o tipo de indústria.

O lixo gerado por indústrias metalúrgicas, alimentícias e químicas têm seus lixos bem diferenciados entre si, o que causa a necessidade de tratamentos especiais para cada tipo.

Por exemplo, em uma indústria alimentícia, o refugo, pode ser vendido para fábricas de ração animal, enquanto metalúrgicas e de plásticos, vendem seus refugos para serem reciclados por empresas especializadas.

Já nas indústrias químicas, geralmente, é precisam tratar seus rejeitos, o que pode requerer altos investimentos.

Alguns exemplos de lixo industrial que podemos citar são:

  • produtos químicos;
  • borracha;
  • plásticos;
  • madeira;
  • papel;
  • cinzas;
  • gases;
  • e óleos.

Nos processos das indústrias são usadas matérias-prima, como ferro, água e madeira, no entanto, esses processos produzem os restos da produção, lixo industrial, e esses restos podem ser inofensivos ou tóxicos, tanto para saúde humana quanto para o meio ambiente.

Quais os tipos de lixo industrial?

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), regula resíduos através da norma  NBR 10.004, onde são classificados os tipos de resíduos conforme as suas reações.

Perigosos: Classe 1 – Contaminantes e tóxicos

Alguns desses lixos industriais da Classe 1 – Contaminantes e tóxicos, podemos citar os metais, cianureto, pesticidas, solventes e amianto.

Os quais podem causar sérios riscos à saúde de quem for exposto.

Devem ser tratados e destinados a instalações próprias para este fim.

Aterros industriais são uma opção, devem ser impermeabilizados por mantas, e contar com várias camadas de proteção, de modo a evitar que hajam vazamentos que irão causar a contaminação do solo e corpos d’água próximos. 

Alguns exemplos de lixo classe 1 são borras de tinta, óleos lubrificantes, papéis e graxas.

Não inertes: Classe 2 – Possivelmente contaminantes

A classe 2, por terem potenciais de contaminação, isto é podem vir a ser perigosos para a saúde humana ou do ambiente, recebem o mesmo tratamento dos lixos de classe 1, sendo destinados a aterros impermeáveis para evitar possíveis contaminações.

Alguns exemplos de lixo classe 2 são fibras de vidro, resíduos provenientes de limpeza de caldeiras e lodos provenientes de filtros.

Inertes: Classe 3 – Não contaminantes

Estes são os que não irão contaminar a água do ambiente em que são despejados, tornando-a imprópria.

Muitos dessa categoria são recicláveis, e não se degradam facilmente quando dispostos no solo. 

Como exemplos de lixo classe 3 podemos citar restos de madeira, sucata de ferro e aço.

Então, como descartar o lixo industrial?

O descarte do lixo líquido diretamente em rios e mares é um dos mais comuns destinos dados aos lixos industriais.

Enquanto os sólidos são amontoados em depósitos e os gasosos são liberados livremente pelas chaminés.

Esses métodos são extremamente problemáticos, dado que parte desse lixo é tóxico e não biodegradável.

Esse tipo de descarte é feito por indústrias que não sabem como lidar com o seu lixo industrial, e acaba o eliminando no meio ambiente, mesmo sabendo que não será absorvido.

Também se fazem aterros, que quando não forem apropriadamente impermeabilizados podem ameaçar os ciclos naturais.

Além de poluir o ambiente, já que agentes contaminantes perigosos podem vazar e contaminar animais, solo, águas e lençóis freáticos, além de pôr em risco a saúde pública.

A Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/98) estabelece meios de descarte que causem danos, destruição ou morte à animais e vegetação dos locais de descarte, como crimes ambientais.

Sendo necessário a aplicação de meios de descarte mais corretos

Enquanto o descarte correto, como dito anteriormente, depende da sua classe, isto é, se são perigosos, não inertes ou inertes.

Como base no tipo de lixo industrial, existem diversos métodos para que sejam descartados com o mínimo de contaminação.

Coprocessamento

O coprocessamento transforma os resíduos em combustíveis para fornos industriais cimentícios, de modo que não gera gases poluentes, onde a alta temperatura da chama, o tempo de residência dos gases, turbulência no interior do forno e outros parâmetros da produção de cimento são superiores aos que são exigidos para a destruição segura dos resíduos perigosos.

Incineração

c1SzJoU 4FhQZ8m ylD MZlXZC3SywY900N M4B2A7qxYSDpVUs1PPXC5pYFdItmbflXXHyuB57eZwoQo81wM2EFL V7ukMo3VnEVBIf6czMzYCDKLRLMyiMb j 6eT268bRVeV
Imagem por RCR Ambiental

Indicado para lixo de classe 1, a incineração é um método eficiente para descartar resíduos corrosivos, reativos, tóxicos, inflamáveis ou patogênicos.

As temperaturas para por este método variam de 900 °C a 1250 °C, tendo seu tempo de residência controlado, para que permita a quebra orgânica do resíduo, reduzindo o volume e risco de contaminação do material.

Aterramento

A secretaria municipal de cada cidade prescreve as normas para o descarte em aterro do lixo industrial, ela destina uma área própria para o descarte de lixo industrial.

É necessário que o aterramento seja feito de forma a ser impermeável, de modo a não contaminar o ambiente.

Também é um método utilizado para lixos classe 1.

Beneficiamento de resíduos

Este método destrói, de forma térmica, os elementos com capacidade contaminante, como óleos e resíduos sólidos.

Passando por métodos de segregação e secagem, o material restante pode até ser como matéria prima de outras indústrias.

Materiais como gases, que são mais difíceis de ser trabalhados, passam por tratamentos durante o processo de separação do óleo, passando então por um pós queimador que tem como função eliminar esses gases.

Reciclagem

NuuzfNo8 v6of1PJ4mVuSr6XuvjvyXqJKHA8nvKSWYjaJqzC8ZNigwUIzFPb2qok4dlqqu5AA7uTTjtzghFwovyHrREytHmQFnrq V2MK rczPEwH8D3N7ssXoIpFUbXf6VovR3a
Imagem por Maringá Post

O processo de reciclagem é indicado, principalmente para os lixos de classe 3, que não é contaminante.

Que podem ser segmentados e enviados para cooperativas de reciclagem.

Sistema de logística reversa

É uma forma de descarte em que a indústria, empresa, poder público e consumidor se responsabilizam pelos resíduos.

Faz parte da Política Nacional de Resíduos Sólidos, sendo um dos pontos mais importantes.

Os produtos que fazem parte dos listados na logística reversa são os produtos eletrônicos, óleos lubrificantes, pilhas e baterias, agrotóxicos, lâmpadas e pneus.

Sendo inseridos medicamentos, embalagens e outras categorias posteriormente.

Conclusão

Fazer o descarte correto do lixo que sua indústria gera é uma tarefa importante para evitar problemas ambientais.

Por isso, entender que tipo de lixo industrial sua empresa gera é fundamental para saber o descarte ideal dele.

Então, esperamos que esse artigo tenha te ajudado a identificar e direcionar o melhor fim para ele.

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *