Skip to content

Fluxo Consultoria – Consultoria em Engenharia da UFRJ

Pesquisar
Close this search box.

Iluminação Zenital: tipos e 14 exemplos para se inspirar

Iluminação Zenital: tipos e 14 exemplos para se inspirar

Sendo uma alternativa cada vez mais cotada, a iluminação zenital tem ganhado cada vez mais adeptos. 

Recebendo esse nome por ser um tipo de iluminação que permite a luz natural penetre no ambiente através de aberturas na cobertura da edificação.

O ponto zênite é um ponto imaginário situado diretamente sobre a cabeça do observado, em que a vertical se encontra com a esfera celeste.

Porém, se você está querendo entender melhor como funciona e como ela pode ser aplicada em seu imóvel para aproveitar ao máximo a luz natural, continue lendo.

O que você vai aprender neste conteúdo:

  • O que é a iluminação zenital?
  • Principais vantagens da iluminação zenintal
    • Luz natural
    • Ventilação natural
  • Tipos de iluminação zenital + exemplos
    • Claraboia
    • Sheds
    • Lanternins
    • Cúpulas
    • Átrios
    • Tubos Solares

O que é a iluminação zenital?

iluminação zenital tem em si um grande apelo estético, além de ser um ótimo recurso para iluminar ambientes centrais e sem janelas. 

Esse tipo de iluminação é recomendada para ambientes profundos e espaçosos.

No entanto, deve-se atentar para características térmicas do local, assim como os materiais que serão usados e do elemento zenital que será empregado. 

Por exemplo, em locais de clima mais quente e com maior incidência solar, é recomendado que se use métodos que não usem uma iluminação direta, e também que propicie ventilação.

Principais vantagens da iluminação zenintal

Luz natural

Uma vantagem de fazermos uso da iluminação zenital é a redução na necessidade de uma iluminação artificial durante o dia, por vezes também contribuindo numa melhor ventilação do local. 

Logo irá provocar uma redução na energia elétrica da edificação.

Além disso, a luz natural é um recurso importantíssimo para quem busca um edifício mais sustentável e econômico. 

Por ser um recurso muito abundante e inesgotável, principalmente em nosso país, a luz natural deve ser empregada para que o ambiente tenha uma iluminação adequada durante o dia, sem a necessidade de uma iluminação artificial.

Ventilação natural

A questão de ventilação natural se dá pelo comportamento do próprio ar, onde, em locais fechados, o ar frio tende a estar próximo ao chão, enquanto o ar quente se acumula no alto próximo teto. 

Logo, quando se tem instalado uma iluminação zenital que permita a ventilação do local, provocará uma circulação natural do ar.

Pois, o vento irá entrar pelas janelas e portas, movimentando o ar frio próximo ao chão e o ar quente irá sair pelas aberturas na cobertura.

Além de, como a luz natural, a ventilação natural é um recurso natural, renovável, inesgotável e sem custo. 

O que torna uma ótima escolha a se tomar de utilizá-los a nosso favor, é claro que de forma planejada e racional, na hora de construir.

Tipos de iluminação zenital + exemplos

Agora que conhecemos os benefícios e como podemos utilizar a iluminação zenital para aproveitarmos os recursos naturais disponíveis, vamos agora falar sobre alguns desses métodos, explicando como funcionam e em que casos são eficientes, ou não.

Claraboia

Clarabóias são aberturas horizontais na cobertura, permitem a entrada direta de luz natural na área interna do edifício.

Para a vedação, é comumente usada uma aplicação de vidro translúcido em sua face superior, o que permite a maior entrada de luz natural possível.

No entanto, esse sistema tende a propiciar um ganho de carga térmica muito grande na edificação, o que faz com que deva ser usado com muito cuidado.

Um meio de contornar isto é adicionar uma película de vidro leitoso ou chapas de policarbonato, que irá tornar em uma entrada de luz indireta.

Este é um dos sistemas de iluminação zenital mais utilizados, são indicados, principalmente para áreas de circulação, halls e banheiros, ou seja, áreas em que não será de permanência.

Vamos agora a alguns exemplos da aplicação clarabóias na construção, dando um maior ar de requinte, junto com os trabalhos a partir da luz natural.

Sheds

O Sheds é mais comumente utilizado em edifícios industriais e galpões, devido a sua cobertura metálica.

A configuração desse sistema forma “dentes de serra” no telhado, de modo a abertura receber determinada quantidade de luz.

Normalmente são posicionadas para a direção de menor incidência solar, o que permite a entrada de luz natural sem reais solares diretos. 

Para incrementar a ventilação do edifício é possível adicionar aberturas para a ventilação.

Sendo projetadas cuidadosamente para que não corra risco de infiltração de água durante chuvas.

Suas dimensões e inclinações são então projetadas para que se supra as necessidades de iluminação do espaço interno, de modo a permitir uma maior ou menor entrada de luz no ambiente.

É importante que o fechamento seja feito com caixilhos de vidro, para que sejam impedidas as infiltrações causadas por chuva.

Como vimos nas imagens de exemplo, sua aplicação em ambientes amplos, e ao serem aliados com um bom planejamento resultam em uma ótima estetica.

Lanternins

Já os Lanternins se caracterizam por se sobressaíram em relação à cobertura em si.

Formando pequenos telhados sobrepostos a cumeeiras e em suas laterais há a aplicação de vidro, que permite a entrada de luz natural.

Ao utilizar caixilhos móveis é possível então a circulação do  ar, por onde será liberado o ar quente do edifício.

Cúpulas

As cúpulas ou domos, formam coberturas em formato de domo, uma meia esfera, e permitem um maior alcance de iluminação.

No entanto, pode gerar grandes cargas térmicas no interior das edificações. 

São indicadas para edifícios com grandes pés-direito e em locais de curta permanência, como pátios ou zonas centrais, justamente por causarem o acúmulo de grandes cargas térmicas.

Como podemos ver nas imagens de exemplo, cúpulas dão um ar de sofisticação maior para os ambientes, além de poderem ter diversos desenhos e formas.

Átrios

Semelhante às clarabóias, os átrios são feitos a partir de aberturas na própria cobertura.

No entanto, no caso do átrio, tem o formato de um telhado tradicional, geralmente com dois ou mais caimentos, sobre a cobertura.

Construídos, majoritariamente, com perfis metálicos e fechamento em vidro.

É indicado para edifícios com um maior número de pavimentos ou grandes pés-direito, de modo que se terá um bom recebimento de luminosidade e não gerando grandes cargas térmicas.

Tubos Solares

Já os Tubos solares, ou clarabóia tubular, são formados por tubos, onde no interior recebem materiais reflexivos, de modo a levar a iluminação da cobertura até o interior.

São instalados podem ser instalados em vários tipos de cobertura e são especialmente usados quando não é possível instalar uma clarabóia.

Podem ser feitos de diversos materiais, como tubos metálicos e vidro, ou mesmo fibra de vidro, que são utilizados, principalmente para projetos com custas distâncias entre laje e forro.

Fluxo Consultoria

Escreva um Comentário

O que é Fluxo?

Somos uma empresa júnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, de acordo com a Lei 13.267/2016, e realizamos projetos de consultoria em engenharia. 

Posts Recentes

Siga-nos

Se inscreva em nossa Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades e conteúdos em primeira mão 

Há mais de 30 anos, a Fluxo realiza projetos de engenharia, com infraestrutura e tecnologia da UFRJ. Prestamos serviços para pessoas físicas, pequenos empreendedores e grandes empresas do mercado. Por isso, temos ampla experiência em consultoria e oferecemos soluções personalizadas para você.