Skip to content

Fluxo Consultoria – Consultoria em Engenharia da UFRJ

Lei de Proteção de Dados (LGPD): saiba o que não te contaram sobre ela.

Lei de Proteção de Dados (LGPD): saiba o que não te contaram sobre ela.

Pessoa lendo sobre a Lei de Proteção de Dados

O uso indevido de dados pessoais além de gerar fraudes econômicas irreversíveis, coloca em risco a seguridade, privacidade e liberdade de expressão dos indivíduos. 

Para diminuir a ocorrência desses casos, surgiu a necessidade de tornar legal o uso adequado, efetivo e privado de dados. 

Assim, a lei de n.º 13.709/2018, chamada Lei de Proteção de Dados, entrou em vigor em 18/09/2020 e desde então promoveu mudanças significativas no modo de coleta, armazenamento e confidencialidade dos dados obtidos pelas empresas. 

Logo, o não cumprimento desta lei acarreta penalidades significativas, como prisão ou multas, a depender da gravidade do caso em questão. 

Entretanto, por tratar-se de uma lei sancionada recentemente muitas pessoas ainda têm dúvidas acerca de todos os elementos assegurados por ela, bem como a sua funcionalidade. 

Para esclarecer ainda mais informações a respeito do assunto, iremos introduzir este artigo com o entendimento de conceitos básicos e fundamentais para uma compreensão adequada. 

O que é a Lei de Proteção de Dados e quais os seus principais fundamentos?

Como descrito pelo primeiro artigo da lei:

“Esta Lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural, pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.” 

Ou seja, a lei regulamenta o uso de dados por pessoas naturais ou jurídicas, no setor público ou privado, a fim de proteger a privacidade dos envolvidos e evitar o vazamento de informações pessoais importantes

Em relação à fundamentação da LGPD, o 2° artigo evidencia de forma sucinta quais são os fundamentos: 

“Art. 2.º A disciplina da proteção de dados pessoais tem como fundamentos:

I – o respeito à privacidade;

II – a autodeterminação informativa;

III – a liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião;

IV – a inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem;

V – o desenvolvimento econômico, tecnológico e a inovação;

VI – a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor; e

VII – os direitos humanos, o livre desenvolvimento da personalidade, a dignidade e o exercício da cidadania pelas pessoas naturais. 

Tais fundamentos fomentam ainda mais a preocupação legislativa em regulamentar a confidencialidade e garantir o respeito à privacidade. 

Assim, fica evidente a importância de promover um reforço na segurança de dados empresariais, tornando menores ou até mesmo nulos os riscos de descumprimento legal. 

Agora que você já sabe o que é e os fundamentos da lei, iremos partir para o ponto principal do artigo:

Saiba o que não te contaram sobre a lei de proteção de dados e aprenda ainda mais sobre ela! 

A seguir, enumeramos os pontos mais interessantes para que você possa se aprofundar ainda mais no assunto

  1. Inspiração na GDPR

A lei de proteção de dados foi inspirada na General Data Protection Regulation (GDPR), lei Europeia vigente desde 2018, a qual impulsionou mudanças significativas para empresas e seus respectivos consumidores. 

Assim, houve inspiração e adaptação da mesma para território brasileiro, que ao negociar com os países da União Europeia deverá seguir as diretrizes da lei em vigor. 

  1. Autoridade Nacional de Proteção de Dados

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados tem como objetivo regulamentar e fiscalizar de forma efetiva a LGDP, a partir das competências do artigo 55-J. 

Além disso, também tem o papel de orientar indivíduos e empresários acerca do cumprimento adequado da lei, instruindo processos e sanando dúvidas.  

Banner3
  1. Atuação das empresas e suas respectivas mudanças 

Como dito anteriormente, a vigência da lei acarretou mudanças significativas no modo de uso e armazenamento de dados obtidos. 

Essas mudanças incluem maior investimento em segurança e adequações a LGPD, tornando empresas e instituições as principais responsáveis pelo uso e armazenamento adequado de informações pessoais

Assim, a atuação legal da empresa é fundamental para a segurança do direito exercido. 

  1. Dados protegidos por direito 

A lei protege por direito dados determináveis, os quais conseguem identificar ou localizar um indivíduo. 

Dentre os principais, podemos citar: 

  • Nome e Sobrenome;
  • Números de documentos como RG, CPF, PIS, etc; 
  • Números de cartões de créditos;
  • E-mails e telefones; 
  • Localização geográfica a partir de endereços locais ou de IP; 
  • Cookies; 
  • Informações bancárias, como conta e agência.  

Além disso, a lei também assegura o direito da informação e ciência clara sobre o uso e armazenamento dos dados, de forma fidedigna e condizente

Assim, após tomar ciência dessas questões o indivíduo opta por autorizar ou não o uso dos seus dados, tornando de livre escolha e consentimento esse processo. 

  1. Denúncias 

Para realizar uma denúncia legal, basta apresentar os dados de uso indevido e descumprimentos da lei ao órgão responsável por essas demandas: Autoridade Nacional de Proteção de Dados, descrita e detalhada anteriormente. 

Assim, com a constatação do crime é possível levar o caso para processo jurídico e obter reparação pelos danos sofridos, sejam eles materiais ou morais. 

  1. Profissionais responsáveis 

A responsabilidade do tratamento de dados é regulamentada pela legislação e está dividida em dois agentes de tratamento principais: Controlador e Operador

Ambos serão os profissionais responsáveis pela segurança e controle dos usos de dados em corporações, entretanto diferenciam-se pelo controle e pela execução da operação, a qual será realizada pelo operador em nome do controlador. 

Dessa forma, qualquer constatação de irregularidade será respondida por esses agentes, os quais possuem grande responsabilidade em todo o processo e deverão agir em proporção ao nível de responsabilidade atribuída. 

  1. Termos de uso e Política de privacidade 

Muito comum no dia-a-dia de qualquer usuário de redes sociais e aplicativos, os termos de uso e a política de privacidade são constantemente ignorados indevidamente por boa parte dos usuários. 

É a partir dos termos de uso e da política de privacidade que a empresa explica como os dados serão utilizados, e a concordância com esses tópicos dá a instituição o consentimento dos indivíduos para os fins descritos. 

Por isso, é muito importante ler e se atentar a eles, para que não haja consentimento sem real concordância.  

  1. Medidas preventivas 

As medidas preventivas são fundamentais para o seguimento adequado da lei, baseadas na ideia de Privacy by Design, onde todos os projetos devem ser feitos ou revistos a partir de medidas preventivas capazes de evitar o vazamento, ou o uso indevido de dados. 

  1. Penalidades 

Como dito anteriormente, o descumprimento da lei acarreta penalidades significativas como multa e prisão, a depender do nível de gravidade do caso em questão. 

As multas aplicadas representam um total de 2% em relação ao valor total de faturamento da corporação, com limite de R$50 milhões. 

Em caso de prisão, a pena prevista é de até um ano. 

Ou seja, é muito importante agir na legalidade, não só pelas penalidades aplicadas, mas também pelos princípios morais e pela integralidade do seu negócio. 

Conclusão 

Como visto ao decorrer do artigo, a lei de proteção de dados apresenta grande importância para indivíduos e empresas, independente do porte das mesmas. 

Por isso, é fundamental que haja conformidade das ações empresariais com as exigências legais. 

Entretanto, essa adequação as normas da LGPD envolve diversos processos complicados, dentre os principais: 

  • Atualização de dados e e-mails; 
  • Mudanças significativas nas normas gerais e em todo o modo de coletar, tratar e armazenar dados;
  • Contratação de agentes de tratamento;
  • Desenvolvimento de medidas preventivas e softwares mais seguros;
  • Arrecadação de permissões e consentimentos.

Por isso, muitos gestores contam com a ajuda de uma equipe especializada nessa adequação, tornando o processo inteiro mais fácil e assertivo. 

Por fim, caso tenha interesse em um serviço de adequação especializado, facilitado e assertivo, a Fluxo pode ser uma grande aliada. 

Para contatar um de nossos especialistas e apresentar essa e outras necessidades do seu negócio em tecnologia e automação, basta clicar aqui. 

Marketing Fluxo

Somos um grupo de graduandos da UFRJ que decidiu ir além das salas de aula da mais tradicional Escola de Engenharia do Brasil. Em busca de vivência empresarial e experiência em gestão, queremos nos preparar o quanto antes para o mercado de trabalho. Para isso, realizamos projetos de engenharia com a supervisão dos professores para resolver os problemas de nossos clientes.

Escreva um Comentário

O que é Fluxo?

Somos uma empresa júnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, de acordo com a Lei 13.267/2016, e realizamos projetos de consultoria em engenharia. 

Posts Recentes

Siga-nos

Se inscreva em nossa Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades e conteúdos em primeira mão 

Há mais de 30 anos, a Fluxo realiza projetos de engenharia, com infraestrutura e tecnologia da UFRJ. Prestamos serviços para pessoas físicas, pequenos empreendedores e grandes empresas do mercado. Por isso, temos ampla experiência em consultoria e oferecemos soluções personalizadas para você.