skip to Main Content
Desenvolvimento De Produto Químico: Saiba Se Seu Produto é Viável No Brasil

Desenvolvimento de Produto Químico: saiba se seu produto é viável no Brasil

O mercado de produtos químicos

O consumo de produtos químicos no Brasil vem crescendo nos últimos anos. O mercado avançou aproximadamente 6% só no ano de 2017. Segundo dados fornecidos pela Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química) há uma previsão para que ele continue em ascensão nos anos conseguintes. Com isso, surge um aumento pela procura do desenvolvimento de produtos químicos.

Simultaneamente, muitas pessoas insatisfeitas com sua área de atuação buscam no empreendedorismo um novo estilo de vida. Assim, acabam por escolher esse mercado para abrir um negócio e obter êxito financeiro.

Junto a isso, pode-se dizer que, embora existam muitos produtos químicos em circulação no mercado nacional, novos empreendedores que investem na área possuem grande possibilidade de obter sucesso.

Mas para isso, é vital que sejam feitas algumas análises prévias sobre a produção. É necessário estudar sua viabilidade, para que seja validada a possibilidade do desenvolvimento do produto químico e a perspectiva de adentrar ao mercado com o produto desejado.

O que seria um Estudo de Viabilidade?

Essencialmente, um EV (Estudo de Viabilidade) é responsável por compilar todas as informações necessárias para um desenvolvimento de produto químico, são elas:

  1. Definição do produto
  2. Estudo de possíveis componentes químicos
  3. Estudo da interação dos componentes
  4. Mapeamento dos fornecedores

E dependendo do caso, é necessária também uma etapa de testes laboratoriais para definição da composição química. Essa etapa é encarregada por fornecer a viabilidade do produto, sendo necessário que ele seja possível, viável e aplicável à realidade do cliente.

Em meio a isso, pode-se dizer que o Estudo de Viabilidade geralmente segue por dois vieses: produto inovador ou semelhante a um que já existe no mercado. Mas isso não significa necessariamente que um produto que tem base em algum já existente não é inovador por si só.

Benefícios de um EV

  • Definição de componentes

Para definir os componentes de um produto químico de interesse é necessário, de antemão, avaliar a necessidade de elaboração:

Trata-se de um produto inovador que será responsável por introduzir uma novidade ao mercado?

– Se esse for o caso, a etapa de estudos prévios deverá se concentrar primeiramente em definir a viabilidade química do produto e, por conseguinte, reunir o máximo de possibilidades possíveis. A dificuldade de elaborar algo totalmente inovador está justamente na ausência de um produto tido como referência. Ao final desse processo, será definida a composição ideal de acordo com a solicitação do cliente.

Trata-se de um produto semelhante a outro já existente?

– Se esse for o caso, quando necessário, será adicionado ao Estudo de Viabilidade uma etapa laboratorial de testes para definição da composição química. Logo após, serão possíveis os estudos  de identificação de fórmula ideal e sua capacidade de interagir como o produto químico desejado.

  • Comercialização formal e expansão do negócio

Ao final do processo, as análises mais os testes laboratoriais necessários terão como resultado todo o estudo de viabilidade química do produto químico desejado. Com isso, será possível iniciar a comercialização ou expansão do negócio, focando-se agora em Pesquisa e Estudo de Mercado para o seu negócio.

O meu produto é viável?

desenvolvimento de produto químico

Esse é o principal fator da importância do Estudo de Viabilidade, e primordial para verificar a possibilidade de produção. Sem se atentar a isso, o desenvolvimento do produto químico que seria realizado teria grandes possibilidades de insucesso. Poderia haver investimento financeiro que poderia fracassar, e é isso que o EV busca evitar.

Ademais, o EV é responsável por verificar a adequação do produto às legislações vigentes e respeitar as patentes existentes. Busca-se além disso evitar imprevistos na fase de Desenvolvimento de Fórmula. Visto isso, pode-se vislumbrar a gama de diferentes possibilidades ao pensar em adentrar nesse mercado com tantas áreas de crescimento no Brasil e no mundo.

Dentre essas áreas de atuação podemos citar a de higiene pessoal, a qual é responsável por movimentar um mercado de aproximadamente R$ 40 bilhões no país por ano segundo dados da ABIHPEC (Associação Brasileira de Indústria de Higiene Pessoal), que tem diversos mercados possíveis para exploração, como o de Desenvolvimento de Cosméticos.

O meu produto é viável, e agora?

desenvolvimento de produto químico

Passada a etapa de Estudo de Viabilidade temos, por fim, a etapa de Desenvolvimento de Fórmula (DF). Essa etapa é caracterizada por ser unicamente prática e laboratorial. Nela, as formulações resultantes da etapa anterior são levados para o laboratório para que sejam feitos os testes e o produto seja encontrado.

Um bom exemplo de projeto de DF feito pela Fluxo Consultoria foi o da empresa Sanevix Engenharia. Nele os clientes relataram que suas estações de esgoto e água enfrentavam problemas com corrosão. Esses se deviam à formação de certas substâncias químicas e à própria água.

Assim sendo, ao final do projeto, a Fluxo desenvolveu uma tinta anticorrosiva com um estudo detalhado sobre seus componentes. O projeto possibilitou a produção da tinta por parte da Sanevix, solucionando o problema de corrosão e possibilitando a diminuição dos gastos da empresa.

Está pensando em desenvolver produto químico?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *