skip to Main Content
Manual De Boas Práticas De Fabricação CDI Distribuição E Serviços

Como o cliente chegou na Fluxo

A CDI Barra era uma empresa de Distribuição de Produtos alimentícios, fazendo apenas a logística de distribuição e o envase de óleo vegetal, sem trabalhar com manipulação de alimentos. O centro de distribuição de alimentos CDI se localizava na Taquara-Jacarepaguá e possuía um espaço de aproximadamente 3500 m² de construção e 120 funcionários. 

Um dos clientes da Sra. Elizabeth Abreu – responsável pela empresa CDI – pediu para ver o  Manual de Boas Práticas de Fabricação da empresa. Contudo, nossa cliente queria entregar uma versão atualizada do manual e foi nesse momento que buscou a Fluxo Consultoria para lhe ajudar nessa missão. A primeira informação constatada foi de que o antigo Manual de Boas Práticas de Fabricação não estava de acordo com algumas das exigências da ANVISA.

O projeto

Os setores para a confecção do Manual foram o de Expedição – que englobaria a parte de Recebimento, Estocagem e Separação para distribuição – e o setor de Envase. Apenas o setor de Envase possuía manipulação direta do alimento, constituindo basicamente de uma atividade de recebimento do óleo de um caminhão, armazenando-o dentro de um galão para depois passá-lo para latas menores e vendê-lo. 

Como a CDI Barra já possuía alguns processos bem definidos para o armazenamento das mercadorias, era importante levar esses procedimentos em conta. Assim, era necessário a construção de um novo manual a partir dos Procedimentos Operacionais Padrões (POPs) e das Instruções de Trabalho (ITs) já existentes na fábrica. 

Os POPs são documentos que descrevem o processo, sendo alguns deles obrigatórios, e estabelece instruções sequenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na produção, armazenamento e transporte de alimentos. Nele são determinados as responsabilidades, as frequências de higienização das instalações, entre outros. Assim, há a descrição de como a higienização está sendo feita atualmente naquele local, realizando as devidas reformulações para estar de acordo com a lei. 

Já as ITs servem para que os funcionários do local a leiam e através dela consigam saber o que se deve fazer para o procedimento ser realizado. Dessa maneira, é ela que dará o passo a passo para que os funcionários realizem as atividades exatamente como elas foram planejadas. Uma instrução técnica bem simples, mas necessária, por exemplo, foi a de como lavar as mãos.   

No caso do projeto de BPF CDI um dos POPs descrito foi o de Higienização de instalações, equipamentos e móveis. Uma das atividades estabelecidas por esse POP foi de que seriam limpos diariamente com pano úmido e rodo os corredores, galpões, área de separação, banheiros e refeitório. A primeira etapa da higienização consistia em remover as substâncias mais grosseiras como terra e poeira, utilizando água potável e sabão ou detergente. Em seguida foi sugerido a desinfecção para remoção ou redução a níveis aceitáveis de microrganismos, utilizando produtos químicos. 

Para facilitar a realização dos procedimentos de forma correta, a empresa manteria, em local de fácil acesso, um cronograma para higienização ambiental e um procedimento adequado para diluição de produtos de higienização. Já para monitoramento, a empresa passou a adotar uma planilha para controle das operações de higienização das instalações que serão realizadas periodicamente.

Os produtos saneantes utilizados nos procedimentos de higienização deveriam ser regularizados pelo Ministério da Saúde e guardados em local reservado para esta finalidade. Além disso, a diluição, o tempo de contato e o modo de uso/aplicação destes produtos deveriam obedecem às instruções recomendadas pelo fabricante.

Outro POP que é interessante citar foi o de controle integrado de vetores e pragas urbanas, essencial para empresas que lidam com alimentos, uma vez que é destinado a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou proliferação desses animais. Para isso, passou-se a ser sugerido, dentre outras coisas, que os coletores de resíduos fossem forrados com sacos plásticos e tampados e que todas as aberturas possuíssem grades e ralos sifonados.

Entregando resultados

Como entregas do projeto, a Fluxo consultoria elaborou um relatório e um guia para ser disposto na empresa com o objetivo de instruir os trabalhadores. Essas entregas incluíam planilhas de controle que poderiam ser utilizadas para que todas as ações descritas no Manual fossem realmente realizadas no dia-a-dia da empresa. Dessa forma, mais um projeto foi entregue com sucesso e conseguimos realizar o sonho de nossa cliente.

É importante ressaltar que o Manual de Boas Práticas de Fabricação deve ser modificado quando houver alguma alteração nos procedimentos ou na estrutura física, organizacional ou pessoal, para que o mesmo se mantenha sempre atualizado. Você pode encontrar mais sobre esse manual tão importante nesse Guia de Boas Práticas de Fabricação na Indústria de Alimentos.

Gerente: Isabella Miranda

Consultora: Lúcia Hernandez

Cliente: Elizabeth Abreu

Conhecimentos utilizados nesse projeto

Estudo da legislação

É realizado um estudo de todos os parâmetros exigidos pela ANVISA. Onde, por meio da Resolução RDC 275, podem ser analisados todos os requisitos sobre a  higienização na indústria de alimentos.

Estudo do BPF

Nossos membros vão até a empresa e capacitam os funcionários sobre a higiene, dessa forma há um maior aproveitamento do manual. Além disso, é fornecido um certificado para os participantes da capacitação.

Estudo da produção

Para a elaboração do manual, serão feitas visitas técnicas ao local de produção com o intuito de avaliarmos a situação do local e podermos sugerir tanto melhorias quanto verificarmos o pontos de controle.

Identificou-se com esse projeto? Quer saber mais sobre como fazer o Desenvolvimento de Fórmula do seu produto?

This Post Has 0 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *